Cariocão 2019: caixão parte 2?

Cariocão 2019: caixão parte 2?

O campeonato carioca 2019 é um dos mais decepcionantes da década. Um dos motivos é a insistência na fórmula confusa dos últimos anos. A referência do nosso título é ao campeonato carioca de 2002 onde ganhou esse apelido o torneio estadual em referência ao falecido ex-presidente da federação carioca conhecido pelo apelido de “Caixa-d´água”. Muitas suspeitas em cima desse campeonato que acabou levando os clubes grandes (exceto o Fluminense) a se desinteressarem pelo mesmo.

Esse ano, em boa parte do Campeonato, Fluminense e Flamengo dando de ombros e jogando com o time reserva, além de um claro desinteresse em alguns jogos por parte até dos próprios jogadores. A torcida não está comparecendo e nem discute muito os jogos no seu dia a dia. O Vasco parece mais interessado mais porque não está disputando grandes torneios nesse início de temporada, exceto pela Copa do Brasil que também são jogos mais “espaçados”. Mas mesmo o próprio clube da colina entrou em alguns jogos com o time reserva justamente pelas partidas da competição nacional.

Os estaduais, em geral e não somente o do Rio, nunca tiveram tão baixa audiência. Com exceção de alguns clássicos e da reta decisiva o desinteresse é grande. Os canais premiere perdem tantos assinantes nessa época de começo do ano que a Globo (dona dos canais Pay-Per-View) vem tentando dar o máximo de valor possível pra eles, tirando até alguns principais do canal aberto pra colocar neles. A pergunta é que fica é até onde poderá se sustentar o modelo atual? A impressão que dá é que o torneio está com os anos contados.

Imagem via página Pop Bola

2 Comments

  1. O grande problema dos estaduais São essas fórmulas confusas que espantam o torcedor e tiram qualquer chance de se firmar em todos os sentidos (público, audiência, patrocínios e marketing).

    Estaduais precisam ter um formato fixo. Primeiramente um teto máximo de datas, que hoje são 18. O ideal seriam 15 (para as principais praças como SP, RJ MG e RS) e no máximo 18 nos demais estados. Segundo ter um formato que se adeque (estaduais com até 10 times, pontos corridos, com 12 times turno único e mata-mata, e acima disso pontos corridos em turno único). Estaduais como São Paulo, Rio, Minas e RS podem parar nas datas-FIFA que não haveria problema. Casos de estaduais com turno e returno com decisões em cada um poderiam adotar também desde que não passe do teto máximo de 15 datas.

    E outra situação que deveria ser pensada com muita seriedade pelas federações. As copas estaduais. Os times que não estiverem em nenhuma das 3 principais séries já deveriam estar confirmados nas Copas Estaduais. Torneio que movimentará esses times, não deixaria ninguém sem calendário e valeria vaga pra Copa do Brasil.

    1. Aqui do Rio eu gostava muito do formato de taça Guanabara e taça Rio só com final de cada turno o campeão de cada turno disputavam a final do campeonato. Com 12 times e pronto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *