Flamengo se salva em uma rodada desastrosa para os cariocas

Flamengo se salva em uma rodada desastrosa para os cariocas

O martírio alvinegro

Pra abrir o campeonato temos um jogo entre dois times grandes do futebol brasileiro que sofrem há tempos com a falta de títulos importantes. O São Paulo parou no tempo desde o intervalo daquela sul-americana que venceu e o Botafogo não vence algo realmente grande desde o longínquo 1995.

O primeiro tempo foi morno (até os 30 minutos), faltoso e esverdeado. A referência do esverdeado é que a imagem do Canal Premiere estava com o verde do gramado saltando aos olhos, mas depois isso até melhorou, claramente foi a escolha (talvez equivocada) na questão do contraste pelo lado da emissora de pay per view.

Vale ressaltar que Diego Souza por questão contratual não jogou e parece ter feito falta ao Botafogo. Depois de uma partida muito concentrada no físico e no meio campo, por volta dos 30 o controle foi totalmente do São Paulo comandando pelo recém contratado Alexandre Pato. Aos 40 minutos em um ótimo cruzamento do craque da partida Antony, saiu o gol nos pés de Everton. O goleiro Gatito pareceu um pouco atrapalhado pelo sol no lance.

Segundo tempo e jogo equilibrado sem chances de gol até os 32 quando o Botafogo conseguiu chegar com força no ataque, porém tomou um contra ataque saído desse lance e quase saiu mais um gol do São Paulo com Toró que tinha acabado de entrar. O jogo daí por diante melhorou novamente e ficou em um bom nível. Hudson ampliou o placar aos 37 depois de uma bela tabela a frente da área. O São Paulo do qual muitos não apostavam pode surpreender nesse campeonato. Ao meu ver a sua briga é por uma vaga na Libertadores. Já o Botafogo segue a sina de estar tendo um péssimo início de ano. O começo é assustador para os alvinegros.

Dois sustos, uma homenagem e uma despedida

Muita emoção e um bom jogo no Maracanã para 30 mil espectadores nos embalos de sábado à noite.

O jogo começou com muitos estudos de ambas as partes até que aos 40 minutos o Cruzeiro abriu o placar silenciando (o já silencioso estádio). O autor do gol foi o atacante Pedro Rocha. Mas isso não durou muito tempo e aos 41 Bruno Henrique que vive grande fase empatou o jogo.

O Flamengo passou a dominar o jogo, como é esperado de um candidato ao troféu do Brasileirão 2019. E aos 22 do segundo tempo veio a virada nos pés do novo ídolo da Nação. Bruno Henrique é o cara de 2019 por enquanto. Gabigol fechou o placar fazendo um bom inicio de ano também.

Vale também o destaque da homenagem na hora da substituição de Everton Ribeiro por Juan. O zagueiro estava nesse momento entrando em campo pela última vez na carreira.

Dedé e Rodrigo Caio tiveram um forte acidente e o zagueiro do Flamengo foi parar no hospital, mas está bem. O momento foi muito tenso e foi bem no finalzinho da partida. O Cruzeiro é uma bela incógnita para esse Brasileirão. Se por um lado tem um belo time e vinha de 22 jogos sem perder, por outro tem uma grave crise financeira que assola o clube e pode atrapalhar muito o segmento do ano para a Raposa. Já o Flamengo é sério candidato ao título de 2019 da competição.

Despedida de Juan

Alegria: a base é forte. Tristeza: os resultados não estão vindo

O Vasco entrou em campo com o técnico interino que é o técnico da base. Marco Valadares comandou a equipe vice-campeã da Copa São Paulo de Futebol Júnior 2019. O mesmo está aproveitando pra colocar os garotos em campo, uma decisão acertada, mas que sempre fica o receio se isso vai queimar os mesmos. Uma formação nova com 3 zagueiros, sendo 2 da base: Ricardo Graça e o estreante da noite, o muito jovem Miranda.

Começa o jogo. Gol do Athletico Paranaense. E isso não é uma brincadeira… Com menos de 3 minutos o bom jogador Bruno Guimarães abriu o placar. A pressão continua até os 7 quando o Vasco começou a conseguir colocar a bola no chão e se acostumar melhor com o gramado sintético. Mas o domínio territorial ainda é bem maior do time da casa.

O Vasco melhorou no final do primeiro tempo mas se equivoca demais nos chutes e cruzamentos. Não pensam, abriu um pouco já bate. Toda hora chuveirinho na área também. Mesmo com essa melhora mais para o finalzinho os paranaenses dominaram e sufocaram o cruzmaltino. Aos 43 Maxi Lopez perde um gol incrível e no mesmo minuto o Vasco toma o segundo gol nos pés do argentino Marco Ruben. Tudo aparenta que vai ser mais um ano sofrido do clube da colina…

Começa o segundo tempo e os Paranaenses continuam mandando e desmandando na partida. Aos 5 minutos do segundo tempo o VAR foi acionado e o pênalti para o Athletico anulado. Decisão acertada, típica de lance que no ao vivo é muito difícil ver mesmo. O VAR se mostra um artifício muito útil nessas horas desde que a arbitragem seja inteligente e bem intencionada.

Aos 12 bela jogada que não saiu gol dos Paranaense. O cruzamento de trivela foi uma pintura. Aos 20 Werley faz gol contra a favor do time da casa.

Garoto da base, goleiro Alexander, vai salvando o time de mais uma goleada vexatório na arena da baixada. Athletico aos 41 em ritmo de treino aumenta o placar com Nikão sacramentado a goleada. Aos 44 Bruno César diminui a diferença, mas isso e nada é praticamente nada.

Depois da partida foi anunciada a contratação de Sidão, goleiro que foi bem no Botafogo, muito mal no São Paulo e estava encostado no Goiás. Nada contra o rapaz, mas é uma piada fazer isso depois da exibição do Alexander. Que pode até cometer alguns erros pela inexperiência mas claramente evolui a cada jogo. Os dirigentes do cruzmaltino mais uma vez vão minando a base e contratando só jogadores de empresário. Triste situação de um dos clubes com mais torcida no país.

O Athletico Paranaense dominou completamente o Vasco nesse jogo e é candidato a uma vaga na libertadores. Já o Vasco vai mais uma vez disputar pra não cair, a sorte é que existem muitas equipes fracas na competição esse ano. Além de o time ter sido um “muro” em São Januário. Mas é alerta total no clube das infinitas “tretas” políticas…

Aflição tricolor

O Fluminense sofre bastante com os problemas financeiros. É o clube do Rio que mais tem tido dificuldade de colocar o salário em dia. E a contratação de Fernando Diniz como técnico parece esconder isso por parte da imprensa. A maior parte da mídia adora o cara que faz o time dar 300 mil passes na partida. Nada contra novamente, pode ser uma forma de ajudar a ganhar partida, óbvio, mais tempo com a bola, menos chances de tomar gol e mais chances de fazer tentos. Mas só isso não basta e o material humano do tricolor é muito fraco.

Aos 28 do primeiro tempo o VAR é acionado depois de um pênalti marcado a favor do Fluminense. O mesmo foi anulado usando a tecnologia. O mesmo foi usado mais duas vezes na partida. Muita polêmica como sempre o que prova que mesmo com esse artifício, quem estava preocupado com a falta de discussão está vendo que a mesma continua firme e forte.

Rafael Vaz (ele mesmo) artilheiro como sempre e zagueiro mediano como sempre. Porque não muda de posição logo? Aos 44 do segundo tempo ele sacramentou a derrota tricolor e o trunfo goiano. Goiás também é uma das incógnitas desse campeonato, mas começa bem ao marcar 3 pontos fora de casa. Vamos ver se consegue manter o fôlego para não sofrer com uma possível disputa contra o rebaixamento. Já pelo lado dos cariocas o momento é tenso e Fernando Diniz também deveria ser questionado. Mas no fundo o problema é o elenco fraco e uma diretoria tenebrosa. Tricolores (assim como cruzmaltinos e alvinegros) tem muito o que se preocupar em 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *