Cyborg no topo do mundo

Cyborg no topo do mundo

A curitibana de 34 anos Cris Cyborg escreveu mais uma página na história do MMA nesse sábado 25 de janeiro no Bellator 238, em Inglewood, Califórnia. Em recente contrato com o Bellator, após sua retirada do UFC, Cyborg chegou chegando, e na sua luta de estreia foi logo desafiar a canadense campeã Julia Budd, que estava invicta há 11 lutas, colocando o cinturão do peso-pena à prova.

Julia Budd com maior envergadura conseguia manter certa distância, maior alcance de pernas, maior altura e peso, físico impecável, mas Cyborg foi uma fera sempre avançando mais e sendo mais ofensiva. Que força e velocidade! Se Budd teve muita resistência diante dos golpes da brasileira, Cyborg também não deixou por menos e não mostrava se abalar quando entravam socos e chutes de adversária. Cyborg não deu nenhum chance de perder, avançando, atacando, segurando e derrubando, no chão não mostrava piedade e continuava desferindo golpes e chutes. Budd aguentando. Mesmo quando parecia que canadense pudesse neutralizar a brasileira, Cyborg conseguia esquivar e nem assim se distanciava, ela simplesmente se livrava atacando. Mais rápida, mais agressiva, uma verdadeira animal com fome.

Com fome de título

Campeã em tudo que disputou, Cyborg completou o Grand Slam, com os títulos no Strikeforce, Invicta, UFC e agora Bellator. A única lutadora de MMA a conseguir esse feito.

Considerada uma das maiores lutadoras de MMA da história, por conta dos seus títulos, ela se desligou da franquia UFC e ingressou no Bellator. Com tanta moral, só mesmo ela poderia estrear já para desafiar a campeã em busca do cinturão.

A luta contra Julia Budd, a principal da noite, tinha previsão de 5 rounds. Cyborg avançou atacando, espremendo na grade, levado pro chão e nenhum sinal de se abalar com os socos e chutes da canadense. Pontuou mais no primeiro round. Repetiu e pontuou mais no segundo e no terceiro. E no quarto round não perdoou, foi para cima, conseguiu derrubar Budd, e com socos certeiros nocauteou. Cyborg foi ao chão emocionada e comemorou muito. Sua primeira luta e primeiro cinturão no Bellator, alma lavada e a promessa mais lutas figurando no top das melhores do mundo.

Os primeiros passos da campeã

Cristiane Justino Venâncio, a Cris Cyborg, nascida em Curitiba no dia 9 de julho de 1985, fez a sua primeira luta no MMA no dia 19 de maio de 2005, então com 19 anos. Sua luta de estreia foi a sua única derrota antes de se profissionalizar. Em 2008 se mudou para os Estados Unidos reforçando os treinamentos.

Seu primeiro grande cinturão foi conquistado no dia 15 de agosto de 2009, quando venceu por nocaute a norte-americana Gina Carano, até então invicta na categoria 66kg. Cinturão no Strikeforce! Em janeiro e junho de 2010 fez defesas do cinturão, derrotando respectivamente a holandesa Marloes Coenen e a norte-americana Jan Finney, ambas por nocaute. Sem adversárias à altura ficou um ano e meio sem lutar. E no retorno, em dezembro de 2011 só precisou de 16 segundos para nocautear a japonesa Hiroko Yamanaka, na terceira defesa do cinturão.

O golpe pesado

Mas no dia 6 de janeiro de 2012 veio um golpe na carreira e Cyborg foi à lona punida com um ano de suspensão, $ 2.500,00 de multa e o pior, a perda do cinturão, como resultado de doping realizado após a luta contra Yamanaka. Cyborg não sabia que se tratava de uma substância proibida após tomar um suplemento para perda de peso, mas assumiu o erro por não consultar o médico.

O retorno e a falta de adversárias

Passados 16 meses, seu retorno foi no Invicta FC no dia 5 de abril de 2013, quando venceu a australiana Fiona Muslow por nocaute técnico no primeiro round. E foi enfrentar Marloes Coenen na primeira disputa de cinturão de peso-pena da organização Invicta. Conquistou com nocaute técnico no quarto round.

E parece que por falta de adversárias à altura, Cyborg ficava mais um ano e meio sem lutar. E também parece que sua fúria avassaladora sempre fez parte do seu estilo de luta. Porque na primeira defesa de cinturão: nocaute aos 46 segundos contra a canadense Charmaine Tweet. Na segunda defesa outro nocaute aos 45 segundos, contra neozelandêsa Faith Van Duin. Em nova defesa, derrotou a russa Daria Ibragimova pouco antes de terminar o primeiro round.

Mas nem tudo são vitórias, e sendo convocada para lutar muay thay no Lion Fight em março de 2014, Cyborg atopelou a francesa invicta Jennifer Colomb, mas ao disputar o cinturão inaugural de até 65kg perdeu em dura batalha para a veterana holandesa Jorina Baars.

A chegada no UFC, briga para disputar o cinturão

Já em 2015 Cyborg assinou com o UFC, mesmo ainda lutando em paralelo no Invicta. E em 14 de maio de 2016 em Curitiba, Cyborg nocauteou no primeiro round a norte-americana Leslie Smith. Ainda no Brasil, em Brasília, no dia 24 de setembro de 2016 ela enfrentou a estreante Lina Länsberg e nocauteou no segundo round. Nessas lutas o UFC ainda não tinha a categoria peso-pena, e somente em dezembro foi homologada.

E então começam as divergências com o UFC em 2017. Dana White, empresário e presidente do UFC promoveu a disputa do cinturão de peso-pena entre a norte-americana Holy Holm e a holandesa Germaine de Randamie, que ficou com o título. Dana alegou que ofereceu a chance 2 vezes à Cyborg que recusou por motivos de saúde. Quando Cyborg desafiou Germaine, esta não aceitou alegando que Cyborg havia caído em doping anos antes. Por não aceitar a luta, Dana retirou o cinturão de Germaine. A australiana Megan Anderson foi escalada para enfrentar Cris Cyborg, mas teve problemas com visto. Então Cyborg enfrentou a norte-americana Tonya Evinger. Ufa, que luta para enfrentar essa disputa! E no terceiro round, no dia 29 de julho de 2017 Cyborg venceu Tonya por nocaute técnico e conquistou o cinturão do peso-pena.

Cyborg defendeu o cinturão vencendo Holly Holm em 30 de dezembro de 2017.

E ao enfrentar a tambám Amanda Nunes em 29 de dezembro de 2018, sentiu na pele a velocidade da derrota. A Leoa precisou de 51 segundos para nocautear e retirar o cinturão peso-pena de Cyborg.

Sem revanche, a saída do UFC

Cris Cyborg, com a incrível marca de 21 vitórias e 2 derrotas, com 13 anos invicta e no topo como uma das maiores atletas do MMA, tentou negociar uma revanche contra Amanda Nunes. Mas com relação conturbada com Dana White, sem um querer consertar as coisas e a outra sem pedir desculpas, em meio à discussões e acusações, não teve negociação. Dia 27 de julho de 2019 Cyborg fez a sua última luta pelo UFC, com vitória sobre a canadense Felicia Spencer. Dana liberou o contrato para Cyborg sair e lutar aonde quisesse.

A chegada ao Bellator e nova página para a história

E Cris Cyborg fez o “maior acordo da história do MMA feminino”, assinando com o Bellator, para vários anos de lutas. O que nos leva ao início da matéria, com a estreia, vitória e cinturão conquistado por Cyborg dia 25 de janeiro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *